08 dezembro 2009

Ir ao cinema com Vítor Alves e com a Condição Feminina





Sabe o Eduardo Pitta, que muito estimo e leio todos os dias, que não sou a favor nem contra o governo. No que à política partidária respeita, tenho o direito, após 35 anos, de duvidar de tudo e todos. Contudo, há coisas que ainda me deixam perplexo. O Eduardo anuncia hoje a nomeação de MJS para a direcção da Cinemateca. A MJS é, indiscutivelmente, uma mulher inteligente e culta, muito simpática, conversadora de talento e merecedora de convites desta natureza. Tomara que a maioria dos empregados políticos chegassem aos calcanhares da MJS.Mas eu esperava informação relevante sobre uma cinéfila. Mas não, só vejo um estendal de cargos políticos. É a outra fita que evito ver. Enquanto o regime confundir todos os planos e se mantiver no aquário autista, nada feito. Começo a compreender as terríveis advertências de Rui Ramos sobre a sorte que espreita esta III República. LA CINEMATOGRAFIA È L'ARMA PIU FORTE !


Mamma bisogna vincere (1942)

2 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Desculpa-me a ordinarice, mas esqueceste um caso nada negligenciável. Além da política, há por aí que suba na vida.... deitado!

Manuel Brás disse...

Tantas vaidades estendidas
num estendal faustoso,
efeito de acções desmedidas
neste regime desditoso.

As terríveis advertências
sobre este aquário turvado
são tudo menos latências
de um pensamento elevado.

O contexto vertiginoso
de valores degenerados
revela o lado pantanoso
de ideais desesperados.

Académicos engravatados
e outros ilustres sabichões
com discursos arrebatados
de fazer inveja aos bichões.