09 dezembro 2009

Desabafo anti-mafioso


Hoje celebra-se o Dia Internacional contra a Corrupção. Indignado fico até ao limite quando confrontado com a falta de respeito, o abuso de autoridade e ganância que as camarilhas - todas as camarilhas acolitadas nos partidos, mais lóbis e teias de influência, da direita como da esquerda - exibem perante as leis e regulamentos que estabelecem a indiferenciação dos cidadãos perante o Estado. A abstração e a universalidade da lei, a selecção pelo mérito, os direitos fundamentais e o acatamento das leis promulgadas deixam de valer o que quer seja quando nas mãos de gente que entende a coisa pública como propriedada sua. Para os amigos, o favor, para os outros, a lei. Paguei sempre caro não fazer lóbi, não ter cartão de partido, não carregar a mala do protector. Por isso, bati com a porta e saí. Um dia, talvez, a justiça se erguerá triunfante sobre um povo caído na escravidão. Sebastianista, pois claro, ainda acredito que na 25ª hora um sobressalto de liberdade moverá os corações e inteligências adormecidos e restituirá aos portugueses a cidadania confiscada, abusada e ridicularizada por todos os pequenos e grandes lóbis que nos reduziram a caricaturas.

2 comentários:

Manuel Brás disse...

Caídos na escravidão
do regime embrutecido,
adensa-se a escuridão
deste povo amolecido.

A letargia caricatural
da cidadania confiscada
é a patologia cultural
de uma nação deseducada.

Qual bela adormecida
num sono esperançoso,
a inteligência esvaecida
anseia um futuro viçoso.

Este regime estuchado
que trucida os mexilhões
terá um desfecho lixado
após tantos trambolhões!

Nuno Castelo-Branco disse...

Mais dois ou três anos. Acabam os "fundos europeus" e depois é que veremos para onde estica a corda.