01 setembro 2009

Viver entre gente honesta


Hoje choveu como nunca. Aqui não há chuviscos: o céu desaba, literalmente, sobre as cabeças, as ruas transformam-se em rios caudalosos, as pessoas retiram os sapatos e andam de calças arregaçadas até aos joelhos. Passei o dia na biblioteca de uma universidade. À entrada do edifício, centos de chapéus de chuva abertos repousavam no chão do vestíbulo. Nem um guarda. Nem um desesperado a clamar pela sua propriedade, entretando rapinada por um confiscador de bens alheios. É assim a Tailândia, um país "pobre" com gente que envergonharia os mais ricos entre os ricos. Tudo começa com um simples guarda-chuva. Não, não tenho saudades da Europa, mais as suas filosofias, os seus princípios e a sua arrogância moralona que não resistem a um guarda-chuva a agurdar o regresso do seu legítimo proprietário.
Miguel Castelo Branco

5 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Bem, depende do "sitio na Europa", porque há países onde podes deixar a bicicleta à porta, sem que desapareça "por milagre".

João Amorim disse...

Se fosse só esse cardinal. Por aqui ainda grassa a "terra a quem a trabalha", "o que é teu é meu", "quem vai ao mar perde o lugar" e outras máximas propaladas pelos camaradas. Um outro dia dizia-me um balconista que quem não rouba é burro....

Bruno disse...

Apesar de tudo ainda é possível em Portugal, se exceptuarmos as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto (e mesmo aí...). Isto também não está assim tão mau.

O Corvo disse...

Caros amigos aqui em Portugal e até na Europa a excepção é a regra. Rouba que o Deus dos católicos perdoa tudo!

mff disse...

Que tristeza saber que essas mudanças (para pior)aconteceram na
¨terrinha¨.

Hoje,me pergunto se realmente
a semelhança atual com Brasil e Portugal, vem dos imigrantes que chegaram aqui com a Coroa Portuguesa (degredados,prostitutas, ladrões e presos políticos)ou se somos nós
brasileiros que estamos ¨levando¨
para a ¨terrinha¨(degredados, prostitutas, ladrões e políticos safados).