12 julho 2009

Cidades de mortos: cemitérios de Banguecoque












Lugares votados ao abandono, última morada antes do esquecimento e da poeira. Os vivos que os enterraram também já partiram, pelo que os túmulos deixaram de ter qualquer função memorial. Os mortos a enterrarem os seus mortos. Em Sillom - artéria comercial da capital - ainda há dois ou três destes locais escapados ao camartelo e à sanha das empresas imobiliárias. São cemitérios cristãos, chineses e farsis, os únicos existentes na Tailândia budista que crema os seus mortos. Histórias mudas de comunidades migrantes, gente que nesta terra fez fortuna e se impôs. Depois, o silêncio guardado por matilhas de ferozes cães que fizeram das cidades dos mortos o seu reduto na selva da grande cidade de betão.

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Tenho fotos do cemitério da Silom road. Já em 1990 estava num desgraçado estado, com sepulturas violadas, mato e... numerosos nomes portugueses, entre os quais sobressaia o do antigo cônsul de Portugal (séc. XIX).