05 maio 2009

O Rei na oficina


Fui a uma oficina de marcenaria com uma cadeira que pedia nova palinha. Lá estavam os trabalhadores vergados sobre o trabalho, cansados e suados. Eram quase seis da tarde e o dia de trabalho estava a terminar. Quando soou a campainha, desabotoaram os fatos sujos de óleo e poeira e dirigiram-se para a porta. Um a um, antes de abandonar o local, cumprimentou com as mãos em forma de prece o retrato do Rei. Foi ontem, véspera do 63º aniversário da entronização do Rei. As pessoas pequenas e humildes sabem-no: o Rei é o único homem em quem podem confiar. As monarquias são populares. Só se lhes opõem os ricaços ambiciosos de mais poder e aqueles, pobres e deserdados, que cairam nas teias da alienação comunista. A monarquia é um formidável dique contra o dinheiro sem escrúpulos e contra a luta de classes. Ou não é o Rei o mais antigo trabalhador do país, sem direito a reforma e atado à sua tremenda responsabilidade desde 1946 ?

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Aí, está em todo o lado, desde os tuk-tuk aos liceus, lojas, mercados, taxis... Sempre gostava de saber quantos portugueses têm a foto do Aníbal na parede?