10 maio 2009

Chegou a monção



Chegou a monção. Chove torrencialmente. Uma parede de água ao som dos mais terríficos trovões e clarões de intensidade que só conhecia dos efeitos especiais do cinema. Até aos anos 50 do século passado, esta parte da Ásia deixava-se adormecer por quatro meses. Tudo parava: o comércio internacional, as comunicações com as províncias, o movimento dos exércitos, os trabalhos agrícolas e as obras hidráulicas. Eram quatro meses de liberdade. Por mim, o torna-viagem fica, assim, adiado. Com a barba por abater há mais de uma semana, sair à rua só para compras e pouco mais. Sob esta cascata só nos apetece dormir, ler e comer. Hoje, um sukiyaki escaldante e umas gotas de saké.
E por falar em Japão, vão ver o Último Nan Ban Jin, coisa digna de se ler.

1 comentário:

António Luís disse...

Eu, que adoro uma boa trovoada, permita-me que lho, diga, sinto uma certa inveja ao lê-lo!
Curiosamente, ainda hoje escrevi sobre as trovoadas no meu "Latitude 40"...

Boa Monção, bom apetite e bom sono!

Cumprimentos.