01 abril 2009

Bernardo, o nosso anjo da guarda


O Nuno publica hoje, com a fantástica memória que tem - eu que não tenho cabeça para me lembrar de coisas tão importantes como o meu número de telefone - a nossa casa em Lourenço Marques. Na foto, destacando-se como uma torre entre a miudagem, o nosso Bernardo, uma alma pacífica, generosa e preocupada que era para nós como um anjo da guarda. As décadas passaram e não sei o que dele foi feito após a tragédia. Como gostaria de o rever e de lhe dizer OBRIGADO !

4 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Espero bem que não tenham enviado para aquelas longas "habilidades" Frelimo-Renamo.

Nuno Castelo-Branco disse...

Queria dizer ... não o tenham enviado...


Já agora, o nosso número de telefone de Lourenço Marques era 29292 e o dos avós 8236. Tenho uma excelente memória. Infelizmente.

cristina ribeiro disse...

Pessoas que são da nossa família: não precisam de ter o mesmo sangue. São-no, sem mais...

Maria disse...

Que crianças tão bonitas! Uma fotografia que honra aqueles que nela aparecem. Uns, pela docilidade das expressões traduzidas num inconsciente pedido de protecção que, não obstante, é pressentido. E obediência e respeito por quem delas cuida bem; o outro, pela dedicação e carinho patentes no protector pousar de mãos sobre os ombros dos que tem à sua guarda, sinónimo de orgulho mas sobretudo de entrega e responsabilidade totais, qualidades que não têm preço.

Compreendo perfeitamente os sentimentos de alegria e saudade que perduram no coração de quem partilhou os tempos que a imagem regista, bem como a gratidão que lhe está associada e que ficará para a vida. Também nós, os muitos irmãos que éramos então (largos anos antes da época da traição, graças a Deus Nosso Senhor) passámos pelas mesmas inesquecíveis vivências em regiões semelhantes e com idades aproximadas, embora inferiores. Memórias pràticamente esquecidas pela tenra idade com que regressámos a Portugal. Mas sagradas, constantemente reavivadas pelos nossos pais.
Maria