16 abril 2009

As flores do mal

Ontem, por ocasião do aniversário do falecido Kim il Sung, os altares da Coreia do Norte encheram-se de Kimilsungia e Kimjongilia. As recentes confissões de um médico hematologista japonês que assistiu o tirano nos derradeiros anos de vida, revelam os arcanos mais perturbadores. Kim il Sung - tal como Tito da Jugoslávia, que bebia leite de rena e recebia hormonas de macaco para ludibriar a morte - recebia contínuas transfusões de sangue retirado de virgens, velha crença que pouco terá evitado o atalhar do inapelável veredicto biológico. É desta gente que se nutriu a esquerda planetária ao longo de décadas. Aqueles que haviam decretado a morte de Deus, brincando como impotentes mágicos, entregues à charlatanice de ervanária em busca da vida eterna para cá da morte. Nem Mary Shelley teria ido tão longe.


A marcha do Marechal Kim il Sung


A megalomania dos outros é bela, mas só se dela estivermos longe !

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

O "Querido Lider" bem podia enviar para Portugal uns instrutores e uns milhares de uniformes de parada para o nosso exército. Por cá não marcham, arrastam-se. As fardas são miseráveis e os regimentos parecem bandos de pandorgos.