25 março 2009

O fresco dos livros



Eco de uma era em que os farang não vinham ao Sião para férias, mas movidos pelo fogo missionário, a Neilson Hayes Library, em Banguecoque, é uma daquelas rodomas que o tempo e o camartelo do chamado progresso pouparam à fúria destruidora. Em pleno coração da capital da Tailândia, ventoínhas em rotação, ar condicionado que nos abraça e convida a repousar. Ali entrámos hoje, eu e dois amigos, para fugirmos ao sol dardejante. Este "templo do saber", destinado ao recreio dos estrangeiros que então chegavam ao país do Elefante Branco, foi obra de missionários protestantes, ela incansável em obras filantrópicas, ele médico de marinha que caiu nas graças de Rama V. De portas abertas desde finais do século XIX, representa, indiscutivelmente, o melhor que o Ocidente aqui quis implantar.


Richard Tauber: Velia (Die Lustige Witwe)

2 comentários:

João Amorim disse...

Que bonito e inspirador lugar!

Nuno Castelo-Branco disse...

Agora, os amigos de Thaksin gostam de instalar outro tipo de presença, bem visível nos centros comerciais: McDonalds, Pizzas disto e daquilo, Kentucky's, etc. Enfim, lixo!