31 janeiro 2009

Mais uma questão dos sapatos, versão teoria da conspiração


TANAKA, Giichi; CROW, Carl (introd). Japan's Dream of World Empire: The Tanaka Memorial. New York: Harper & Brothers, 1942.
Peça de propaganda anti-japonesa, inicialmente posta a circular na China Nacionalista em finais dos anos 20, depois aproveitada por revistas de duvidosa credibilidade ao longo dos anos 30 e finalmente usada no decurso da Segunda Guerra pelos serviços de propaganda dos EUA. Tanaka fora primeiro ministro do Japão entre 1927 e 1929 e entregara, segundo rezam os editores de tão discutido documento, um longo memorando ao Imperador Hirohito, no qual apresentava o magno plano de domínio do Extremo Oriente pelo Sol Nascente. Primeiro a Mongólia e a Manchúria, depois a China, a que se seguiriam a península indochinesa (o termo Sudeste-Asiático só seria cunhado no decurso da Guerra) e finalmente a Ásia do Sul.
Sabe-se hoje que o documento foi escrito por funcionários da Internacional Comunista visando acelerar a crispação sino-nipónica, ou levar o Kuoumintang a reaproximar-se da esfera de Moscovo após os trágicos incidentes de Março de 1927 em Xangai, que culminaram com o massacre da ala comunista dos Nacionalistas e o início da guerra civil que só terminaria em 1949. Ao serviço do esforço de guerra norte-americano, o texto foi submetido a revisões: inclusão de capítulos de acintoso racismo anti-branco, alargamento geográfico da incidência do plano Tanaka, com inclusão do Havai, da costa ocidental dos EUA e América do Sul como objectivos do expansionismo japonês. Ainda hoje, provada a absoluta falsidade de tão grosseira peça, há quem a ela recorra para justificar a eliminação do poderio japonês, selada com a capitulação, mas, sobretudo, como inibição de qualquer intervenção do Japão (superpotência económica) na política internacional.


Kimigayo (versão tradicional)

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Uma questão de nível mental, apesar de tudo. Por cá, ficámos com o Marquês da Bacalhoa...