24 dezembro 2008

A minha melhor prenda de Natal

Chegada do 1º Batalhão de Caçadores de Moçambique ao Estado Português da Índia (1954)

Miguel:

Não o conheço, desculpe-me por isso pular uma série de justificadas convenções, mas não resisto contar-lhe um insignificante episódio que tem a ver com a sua escrita (que leio regularmente). A minha Mãe viveu em Macau oito anos durante a adolescência, . O meu Avô era militar e por lá cumpriu 2 ou 3 comissões de serviço na década de 40. Essa permanência da família em terras do Oriente (avós, mãe e tios) marcou para sempre todos os envolvidos na aventura... E, de certa maneira, também os seus descendentes. Anos depois regressaram a Coimbra finda a comissão, mas com a bagagem cheia de novos amigos, quer da Metrópole, quer da Índia Portuguesa (e, num caso, até da própria Macau). Mais tarde, os meus pais voltaram a Macau várias vezes, e também conheceram a Tailândia e China à vol d' oiseau, claro (não eram mais do que estadias motivadas por congressos médicos, em que o meu pai intervinha). Anos a fio, lá em casa deles, desagua(va)m volta e meia amigos desses tempos (cujos filhos, em alguns casos, se tornaram meus amigos). Uns vindos de Lisboa, e outros também, mas porque lá 'transplantados' depois de África. Nos últimos tempos, a minha Mãe tem tido cá uma dessas amigas em sua casa, goesa de estirpe cheia de tradições (e horrorizada com o frio!). Ela tem descendência lá, onde mora, bem enraizada nessa estranha mescla cultural que é a "indo-portugalidade" (cuja subsistência abona quase em exclusivo em favor deles).Um dia destes, pressentindo a probabilidade de sucesso, resolvi mostrar a estas duas adoráveis mães de 80 anos o seu blogue "Combustões". Para melhor atingir o objectivo, imprimi-lhes dezenas de posts seus, escolhidos a dedo, claro.E foi o delírio: pelos temas; pelo seu português clássico e impecável; pelas suas posições e pela similitude das suas invocações, no eco das evocações que elas transportam... Neste momento, já as passei para o "nível avançado". Acompanham a actualidade política tailandesa!- E o êxtase com as fotografias? Total !! Pronto, aqui fica este "recorte da vida quotidiana portuguesa"! Ou de como duas velhinhas cultas e viajadas, mas "infor-excluídas", são leitoras assíduas do blogue COMBUSTÕES e já completamente rendidas ao seu autor!

Laura (Coimbra)

7 comentários:

Rui Rebelo disse...

bela prenda!

António de Almeida disse...

-Um santo e feliz Natal, e obrigado pela explicação que nos ofereceu da instabilidade política tailandesa, realidade à qual seria impossivel de aceder, por cá não mereceu mais do que umas brevíssimas notas de rodapé, e apenas durante a ocupação do aeroporto.

Laura disse...

Miguel
Confesso que quando tive o impulso de lhe contar “ o caso das duas leitoras atípicas do Combustões” suspeitei que achasse engraçado, mas não me passou pela cabeça que o tocasse tanto.
Sem querer, parece que ferimos aqui uma corda potentíssima (e quase tenho inveja por me sentir alheia à melodia da percussão!) Porque para mim o oriente também é memória, mas apenas uma memória herdada, de cisterna, feita só de palavras e de fotografias.
Por razões que não interessam, este ano o Natal é triste cá em casa. Mas mal possa vou mostrar este post especial à sua nova leitora…
Para si, votos de umas festas calorosas.
E já sabe: se algum dia passar por Coimbra…tem uma tertúlia à sua espera, habituada a sentar à mesa a diáspora portuguesa!

Laura disse...

Miguel
Confesso que quando tive o impulso de lhe contar “ o caso das duas leitoras atípicas do Combustões” suspeitei que achasse engraçado, mas não me passou pela cabeça que o tocasse tanto.
Sem querer, parece que ferimos aqui uma corda potentíssima (e quase tenho inveja por me sentir alheia à melodia da percussão!) Porque para mim o oriente também é memória, mas apenas uma memória herdada, de cisterna, feita só de palavras e de fotografias.
Por razões que não interessam, este ano o Natal é triste cá em casa. Mas mal possa vou mostrar este post especial à sua nova leitora…
Para si, votos de umas festas calorosas.
E já sabe: se algum dia passar por Coimbra…tem uma tertúlia à sua espera, habituada a sentar à mesa a diáspora portuguesa!

editor69 disse...

Lindo!

Daniela Major disse...

Por isto é que vale a pena ter um blogue. Mesmo que ás vezes haja outras desvantagens.

Nuno Castelo-Branco disse...

Quantas histórias destas haverá por aí?