06 setembro 2008

Banguecoque sem Adido Cultural




Tem toda a razão o Senhor Presidente. Exige-se trabalho realizado às representações diplomáticas, não se lhes dando condições mínimas para operar no terreno. Lembro ao Chefe de Estado que na Tailândia, por falecimento do nosso leitor, o saudoso João Azeredo, não há adido cultural ... a três anos das celebrações dos 500 anos da chegada do primeiro embaixador português ao Sião. É uma vergonha que nos deslustra e que será interpretada na região como uma retirada portuguesa e um agravo. Espero que a advertência do Presidente seja compreendida nas Necessidades e que sobre o acontecimento não se inventem desculpas sem pés nem cabeça para ocultar o indesculpável.

Sem comentários: