24 setembro 2008

Ainda a ignóbil mentira


Um texto desassombrado. As mentiras duram um, dez, vinte, trinta anos, mas acabam por ser desmontadas. Ler a obra de Manuel Amaro Bernardo é ajuda precisosa para quantos, inocentes ludibriados, perseveram na mitologia que foi imposta pela propaganda marxista. Os mil soldados portugueses negros fuzilados pelo PAIGC, aqui evocados no seu martírio.

Sem comentários: