17 abril 2008

Bella e bruta Italia

Parece que à terceira foi de vez. Não acompanhei, como é óbvio, aquela campanha, mas fico com a clara sensação que da Itália de Garibaldi, Mazzini e Cavour - unitária ou republicana dos Alpes à Sicília - já pouco resta para além de umas deixas da Mussolini e daquela fantástica capacidade para fazer do ridículo coisa séria, segredo que só os italianos possuem. O magnata parece mais jovem do que era quando, há doze anos, galgou as escada dos palácio Chigi. O botox, o laser e o colagéneo têm dado saltos de gigante, mas em Berlusconi não mais lobrigo que um pequeno anjo exterminador da esquerda aboletada à mesa do orçamento e demasiado preguiçosa para argumentar para além da velha cartilha do anti-fascismo. Metade da península não é "europeia", na acepção loura, falsamente grave e presumidamente racional dos senhores de Bruxelas, como metade da população parece mediterrânica e indolentemente indiferente a Roma, que só é capital por razões estéticas e românticas. A Itália não é - deixou-o de ser, absolutamente - herdeira de Roma, mas das republiquetas, das comunas e ducados em perpétua vertigem de guerra civil que a tricolor tentou suavizar. A Itália moderna começou como um sonho das elites letradas, urbanas e ávidas de reconhecimento internacional - o Risorgimento - aprofundou-se nos primeiros anos do ventennio, um outro sonho de grandeza que começou como uma "banal ditadura" de obras e terminou como macaqueação totalitária da acéfala experiência teutónica. O "milagre económico" dos anos 50 e 60 amprestou a essa quimera assomos de veracidade, mas nos anos 80 e 90 sobressaiu a pior das flores do mal da partidocracia. Vai Berlusconi mudar coisa alguma ? Talvez, mas tenho dúvidas, tanto mais que análoga mudança em país mais convincente (a França) rendeu poucas receitas para além das nudezas de Carla Bruni-Sarkozy. A Itália seria muito mais feliz como expressão geográfica - com Nápoles, Roma e Milão-Turim como pólos da península - que como Estado unitário que só o conseguiu ser como ditadura.

Sem comentários: