31 janeiro 2007

99 anos sobre o crime do Terreiro do Paço (2)

Mandantes morais do crime: o dinheiro dos plutocratas despeitados

"A caixa da revolução era engrossada pelas bolsas dos abastados, de alguns viticultores irritados e sobretudo a de José Relvas, tornado republicano. O comerciante Francisco Grandela pagava com paixão e tinha um alvo fixo: o Rei, envolto no ódio do mercador porque jamais subira as escadas dos seus armazéns em preito ao seu talento de fanqueiro organizador."

(v. Rocha Martins, D. Carlos: história do seu reinado)
O sentimento predominante entre os anti-monárquicos, amiúde dissimulado pela invocação da igualdade dos cidadãos e pelo repúdio pela hereditariedade da chefia de Estado monárquica, reside, presisamente, no ódio que aos homens do dinheiro inspira tudo que não podem comprar. Se não podes comprar, destrói ! É entre os plutocratas, os arrivistas e os parvenus que se encontra, ainda hoje, o maior número de adeptos republicanos.

Sem comentários: