11 outubro 2006

O Deus maligno


A minha telefonista tem 55 anos, cegou aos 10 e trabalha desde os 15. O marido abandonou-a, deixando-a com dois filhos nos braços. O mais velho transformou-se num criminoso, foi preso e suicidou-se nos calabouços. O mais novo foi tragado pela toxicodependência, roubou a mãe até não lhe deixar uma chávena em casa, chegando a extremos de a ameaçar com um facalhão. A via crucis da desgraçada está a atingir a última estação: foi-lhe diagnosticado um cancro maligno em fase terminal. Onde está Deus ? Ou será que haverá, tal como supunha Mani, uma entidade maligna omnipotente ?