08 junho 2006

Um grande livro


A obra foi-nos sugerida pelo [momentaneamente] ausente confrade do Je Maintiendrai. Preguiçoso como sou, confesso, deixei que uma mão caridosa o traduzisse para o português. Comprei-a e devorei, parando aqui e ali, varado pela inépcia do tradutor, que fez o favor de semear tão belo texto de escolhos, imprecisões e erros palmares de cultura geral. Que um tradutor prefira "azerbeijanês" a "azeri", vá lá; que traduza "Goldenen Horn" por "trombeta dourada", também é desculpável; agora, que mantenha a onomástica inglesa do texto original de nomes alemães, italianos e franceses é de bradar aos céus. Vá lá que não incorreu noutras traições, ficando-se pelos pecadilhos produto da ignorância.
Do que trata o Orientalista ? Da acidentada, fascinante e trágica vida de um "travesti cultural", Lev Nussimbaum (aliás Essad Bey, aliás Kurban Said) judeu azeri convertido ao islão em Berlim, que se fez passar por príncipe muçulmano e se transformou em autor de moda na Alemanha de Hitler. Um desafio à coerência e à aparente linearidade com que julgamos domesticar o terrível século XX europeu. Da sangrenta queda dos Romanov à ascensão dessa figura sinistra que deitou por terra a secular grandeza cultural da Rússia (Estaline), da queda do Império Otomano à Alemanha pré-nazista, com prolongada passagem pelas raízes do sionismo - essa doença nacionalista que os judeus beberam da fonte inquinada das ficções românticas europeias - o Orientalista é, também, convite para uma meditação sobre a imprevisibilidade do comportamento de um homem em permanente busca de identidade. Um judeu amigo de fascistas e nazis, que fingiam não saber que era judeu; um falso "asiático" a brincar aos asiáticos, repelido pelos muçulmanos; um sósia de Rudolfo Valentino, de adaga e botas altas, seduzindo raparigas e logo delas fugindo, um escritor de prodigiosos recursos só agora reconhecido como um ícone do século XX, Lev merece a nossa atenção. Lembrei-me do meu Homem Cristo Filho, também ele aventureiro, fura-vidas, sedutor e extremista.
Excelente leitura de férias, oportunidade para ir à Feira do Livro.

Sem comentários: