03 maio 2006

Demita-se, já, a glabra figurinha


Há limites para a paciência. Há um limiar para a tolerância. Um ministro não pode, sob pretexto algum, violar publicamente o respeito devido ao Estado que serve, à lei que o subordina e à nação que diz representar. Se é "iberista" - i.e., se advoga o fim da independência nacional - deve, de imediato, pedir a demissão. Se o não fizer, deve ser demitido por justa causa. Aqui está uma matéria em que o Presidente da república e o Primeiro-Ministro devem terçar armas em comum. A liberdade política inscreve o direito à opinião e ao confronto das ideias, mas não pode transigir com um atentado ao princípio do qual decorre: a independência nacional (o somos independentes/ somos livres), que torna possível a cidadania. Quem voluntariamente trai a cidadania, colocando-se fora da sociedade, não tem qualquer direito político nem pode exercer funções no Estado.

Sem comentários: