05 abril 2006

Ministros estrangeiros ? Why not ?

Conde de Lippe

Não me incomoda em absoluto a restauração da velha prática setecentista de encomendar a estrangeiros competentes e renomados tarefas ministeriais. Se tivessemos um ministro da Economia japonês, um ministro das Finanças alemão, um ministro da Agricultura israelita, um ministro da cultura francês, um italiano no Turismo, um norte-americano na Defesa e um britânico na Administração Interna, as coisas marchariam com outra eficácia. O problema português é o da pequenez, da quase promiscuidade de amiguismo, cumplicidade e proximidade casamenteira da classe dirigente. Todos se conhecem, todos almoçam e jantam juntos, todos têm uma prima comum, uma filha casada com o filho de um adversário. Assim, nada se faz. A acção governativa dispensa a política politiqueira: mede-se pela eficácia e coragem em arrostar as forças de reacção, de imobilidade e acomodação. Venham, pois, os estrangeiros.

Sem comentários: