13 dezembro 2005

Henrique de Senna Fernandes: até às lágrimas


Assisti ontem, comovido, à intervenção que esse grande português de Macau que é Henrique de Senna Fernandes produziu na RTP-1. Caramba, que amor, que veneração e fidelidade a Portugal. Como muitos outros macaenses - e timorenses, e caboverdianos, e goeses - este homem, produto da teimosa vontade de resistir que Charles Boxer encontrava nos portugueses - separando-os dos vis mercadores e colonialistas de outras paragens - Senna Fernandes deu voz a uma realidade escondida. Essas dezenas de milhares de sino-portugueses, indo-portugueses e afro-portugueses que se emocionam ao ouvir as estrofes do nosso hino, que choram quando vêm a nossa bandeira, que querem manter viva a memória do Portugal Antigo são, habitualmente, esquecidos por uma certa fulanagem que canta loas ao multicularismo e ao multirracialismo, mas esconde a verdadeira face da empresa portuguesa no mundo. Para encontrar portugueses daqueles, é preciso ir a Macau, a Goa e à Praia.
Aviso os meus caros leitores que no próximo domingo, passando 44 anos sobre o ataque do pacifista Nehru à Índia Portuguesa, os canais das nossas tv's prepararão - é limpinho - a habitual sabatina de incoerências, dislates e verrinas. Lembro que a invasão de Goa foi um acto vergonhoso à face do Direito Internacional - acerbamente condenado pelo Tribunal da Haia - e dela resultou a saída voluntária de largos milhares de indianos que se consideravam portugueses. Diga-me, quem puder, se não há maior demonstração de amor que o de sair da sua terra, abandonar tudo, para afirmar a determinação em continuar a ser português.

1 comentário:

Antagonista S. Editora disse...

Caríssimo,

Soubemos, graças ao Google, que Henrique de Senna Fernandes conta, entre as suas obras, com alguma literatura de ficção científica.

Estando em preparação uma colecção que, ambicionamos, seja de natureza lusófona deste género ficariamos imensamente gratos caso nos pudesse auxiliar em contactar o autor.

Sem outro assunto, os nossos melhores cumprimentos.